Blog

Saiba quais são os principais métodos de análise de proteínas!

saiba-quais-sao-os-principais-metodos-de-analise-de-proteinas!

Na indústria alimentícia, diversas substâncias que compõem as amostras devem ser mensuradas para que as informações nutricionais repassadas à população nos rótulos sejam precisas e confiáveis. Nesse meio, a análise de proteínas é fundamental, já que essas macromoléculas fornecem os aminoácidos essenciais (aqueles obtidos somente por meio da dieta) ao organismo humano.

Essas substâncias são formadas por átomos carbono, oxigênio, hidrogênio e nitrogênio, indispensáveis a inúmeras reações metabólicas dos processos biológicos, bem como à própria estruturação celular.

Afinal, quais são os métodos de análise de proteínas mais utilizados nos laboratórios e quais são as suas vantagens e desvantagens? Continue conosco, pois, além de sanar essas dúvidas, você também saberá como a Pensalab ajuda nesse processo. Boa leitura!

Quais são os principais métodos de análise de proteínas?

A seguir, veja quais são os métodos de análise de proteínas mais utilizados no mundo.

Método de Dumas

Desenvolvida em 1831 pelo químico francês Jean Baptiste Dumas, essa técnica foi a primeira descrita para analisar o nitrogênio contido nas amostras de proteínas. As temperaturas elevadas causam a oxidação total da amostra. Após isso, os óxidos de nitrogênio são reduzidos a nitrogênio e, assim, permitem a detecção da produção de nitrogênio por um detector de condutividade térmica.

Amostras sólidas, líquidas e pastosas podem passar por esse procedimento. Além disso, é necessária uma pequena quantidade delas e nenhuma preparação. A combustão, a redução, a separação e a detecção do nitrogênio é feita em apenas um equipamento (sem o uso de reagentes perigosos), e o resultado leva de 3 a 5 minutos para sair.

Método de Kjeldahl

O método de Kjeldahl foi criado em 1883 pelo dinamarquês Johan Kjeldahl e, apesar de ter recebido algumas inovações, a técnica continua sendo a mais utilizada, devido à sua robustez e segurança. O processo ocorre em três etapas:

  • digestão das amostras com ácido sulfúrico concentrado sob aquecimento (transformando o nitrogênio orgânico em íons amônio);
  • destilação da solução de digestão por arraste a vapor (a solução é alcalinizada com hidróxido de sódio concentrado, e a amônia que resulta dessa fase é destilada e capturada com uma solução de ácido bórico);
  • titulação do destilado e cálculo do resultado (a solução da etapa anterior passa pela titulação com ácido clorídrico padronizado e, então, tem-se a concentração molar da amostra).

Em amostras altamente não homogêneas, praticamente não há alternativas ao Método de Kjeldahl, já que ele permite maior peso de amostragem. O resultado leva algumas horas para sair, e é exato e preciso.

Espectroscopia de Infravermelho Próximo (NIR)

A NIR (do inglês, Near-Infrared) tem sido aplicada como alternativa ao Método de Kjeldahl, principalmente porque este é demorado e passível de erros. O equipamento tem bandas de absorção específicas, o que permite determinar vários compostos químicos de forma simultânea e sem a geração de resíduos.

Além disso, o tempo de análise de proteínas na Espectroscopia de Infravermelho Próximo é bastante reduzido. O resultado sai em menos de 1 minuto.

Quais são os benefícios de cada um?

Agora que você viu como funcionam as principais metodologias de análise de proteínas, veja quais são as vantagens de cada uma delas.

Vantagens Dumas

  • Operação desassistida;
  • alta produtividade;
  • eliminação da etapa de digestão da amostra;
  • análise de todo o gás gerado na combustão;
  • metodologia limpa, sem geração de resíduos ácidos;
  • combustão catalítica;
  • sistema robusto;
  • baixa manutenção;
  • resultados rápidos, entre 3 e 5 minutos.

Vantagens Kjeldahl

  • Mais comumente utilizado no mundo;
  • construção robusta e segura;
  • diferentes graus de automação;
  • facilidade de análise em amostras heterogêneas;
  • análise em diferentes matrizes e volumes de amostras;
  • destilação por arraste a vapor com controle da potência de vapor.

Vantagens do NIR

  • Análise rápida, em menos de 1 minuto;
  • análise de uma ampla gama de parâmetros, além do resultado de teor de proteína;
  • análise de diferentes matrizes de amostras;
  • fácil identificação de qualquer indício de adulteração;
  • dispensabilidade de preparação (amostras analisadas in natura);
  • inexistência de resíduos.

Destacamos que ambos os métodos — Dumas e Kjeldahl — são clássicos e mundialmente comprovados. Por outro lado, a determinação de nitrogênio das amostras pela metodologia NIR ainda é muito questionada.

Um ponto interessante sobre a análise de proteínas é que também é possível determinar o teor de proteína solúvel e o grau de digestibilidade, tanto pelo Método Kjeldahl quanto pelo Dumas. A análise desses parâmetros é bem importante, pois eles indicam a porção da proteína que o organismo animal poderá absorver.

Assim, devido à excelente precisão e à rastreabilidade dos métodos, a escolha por um ou por outro procedimento vai depender basicamente da disponibilidade dos equipamentos, bem como do tempo para realizar as análises e da qualificação dos operadores.

Como a Pensalab pode ajudar no processo de análise de proteínas?

Atuando há 24 anos no mercado brasileiro, a Pensalab tem parcerias com representantes tradicionais, que trazem tecnologia e inovação ao mercado. É o caso da Gerhardt Analytical Systems, que apresenta soluções para o setor desde 1846.

O equipamento Dumatherm®, que faz a análise dos compostos a partir da sua combustão, é robusto, podendo determinar o conteúdo de nitrogênio de suas amostras 70 vezes mais rápido do que com o Método de Kjeldahl em um único aparelho. O Método de Kjeldahl, por sua vez, precisa de dois equipamentos: um para a digestão e outro para a destilação + titulação.

A Pensalab conta com esses equipamentos de altíssima tecnologia, oferecendo automação e rapidez na entrega dos resultados. Isso confere melhorias na produtividade no ambiente de trabalho, já que o operador tem tempo livre extra para executar as outras tarefas da rotina no laboratório. Some a isso a rastreabilidade dos procedimentos, o que gera resultados precisos e extremamente confiáveis.

A Pensalab também prioriza a segurança dos colaboradores. Dessa forma, trabalhamos com equipamentos de altíssima qualidade que impedem que o operador tenha contato com os vapores ácidos e os solventes perigosos, entre outros produtos químicos utilizados nos procedimentos ou resultantes das análises.

Além disso, a Pensalab é amplamente reconhecida no mercado pelo processo de pós-venda que oferece aos seus clientes, pois proporcionamos suporte técnico rápido, confiável e altamente eficiente.

Como você viu, automação, segurança, rastreabilidade, repetibilidade, confiança, versatilidade e rapidez são qualidades que a Pensalab garante quando o assunto é análise de proteínas.

Gostaria de esclarecer dúvidas sobre os métodos e os equipamentos de análise laboratoriais? Então, entre em contato conosco para que possamos ajudar!

The post Saiba quais são os principais métodos de análise de proteínas! appeared first on Blog Pensalab | Soluções Analíticas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *